Em Audiência Pública, Agentes de Endemias cobram implantação de piso nacional da categoria

Assessoria

segunda, 02 de setembro de 2019 às 13h05

Dicom/CMM

Vereador Francisco Sales diz que vai encaminhar ofício solicitando explicações ao Executivo

Em audiência pública na Câmara Municipal de Maceió, na manhã desta segunda-feira (02), para discutir o piso salarial dos Agentes de Endemias na capital alagoana, o propositor da discussão, vereador Francisco Sales (PPL), afirmou que encaminhará à Prefeitura de Maceió um ofício solicitando explicações do município sobre a ausência do pagamento do piso salarial da categoria. A audiência lotou o Plenário Vereador Silvânio Barbosa.

Como primeiro resultado da discussão, a Defensoria Pública Estadual e o Ministério Público Estadual (MPE) anunciaram ingressar com ações judiciais contra o município, visando garantir o direito destes profissionais.  Desde janeiro deste ano, os Agentes de Endemias de Maceió lutam para que o piso salarial seja pago aos 767 profissionais que atuam diariamente nas ruas da cidade.

“Não consigo enxergar quando o nosso gestor entenderá o que é piso salarial, duramente conquistado por esta categoria que está nas ruas no combate a doenças e fundamental dentro do sistema de saúde. Queremos explicações da Prefeitura sobre onde e como esse recurso, que é federal, vem sendo aplicado e, principalmente, porque ainda não pagou o que é direito, já que esse dinheiro não causa impacto algum nos cofres do município”, disse Francisco Sales.

Atualmente o valor pago aos Agentes Endemias mensalmente em Maceió é de R$ 1.100,00, enquanto nos demais municípios alagoanos os profissionais recebem R$ 1.250,00, valor pago nacionalmente garantido pela lei federal 12.994/2014.

EXPLICAÇÃO PLAUSÍVEL - O presidente do Sindicato dos Agentes de Saúde de Alagoas (Sindas), Maurício Sarmento, colocou que o direito dos trabalhadores está sendo negado em Maceió desde janeiro sem alguma explicação plausível por parte da Prefeitura. “Esse recurso é nosso e o município de Maceió está ficando com esse dinheiro. O gestor que não cumpre tem que ser punido com a lei”, destacou Sarmento ao explicar os recursos financeiros da União que são repassados para custear os vencimentos.

A abertura do Procedimento Administrativo pelo Ministério Público Estadual será no sentido de cobrar explicações do município quanto à demora em implantar o piso salarial e o descumprimento da Lei Federal. Segundo o promotor Paulo Henrique Prado, que representou o órgão na audiência, a saúde dos maceioenses depende do trabalho direto dos agentes de endemias e se torna indispensável à valorização da categoria.

Já o Defensor Público, Othoniel Pinheiro ressaltou que ingressará com um agravo junto ao Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL) para recorrer da decisão que concedeu à Prefeitura o argumento ao direito dos agentes. “Não vamos recuar um centímetro e não é para ouvir a Prefeitura. Vamos reivindicar uma coisa que é obvia. E vamos fazer isso no próximo ano e até quando for preciso, pois isso é o salário base”.

A presidente do Conselho Nacional dos Agentes de Saúde, Ilda Angélica, lembrou que a Lei Federal que instituiu o piso salarial foi conquista muito dura dentro do Congresso Nacional em um ano em que o País passava por momentos difíceis financeira, política e moralmente. “Estou sendo chamada Brasil a fora para celebrar a implementação do piso, mas infelizmente aqui passamos por essa situação que é o não pagamento de um direito, que foi conquistado com muita luta. O Agente de Endemias conhece o perfil dos moradores de sua cidade e entendemos que não existe vitória se não houver luta.  Não será Maceió a única cidade a ficar sem pagar o piso no País. Vamos montar mobilizações até que haja mais essa conquista”, afirmou. 

 

Mais Imagens:

Últimas Notícias